Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Olá,

 

A tua carta é mesmo tua. Tu ás vezes és bruto.

O MEC e tu têm razão: “O Amor é (mesmo) fodido”.

Só o amor pode justificar tudo o que aturo. A todos.

Sim, estou velha.

E quem foi que não quis ter mais filhos, fui eu?

Querias sexo, festa! Responsabilidades e consequências? Não, nada.

Sim, estou falida.

Lembras-te com quem gastei o dinheiro? Lembras-te? Sim, o dinheiro que tinha e que não tinha… e tu…tudo bem!

Quando te dizia que estávamos a gastar dinheiro emprestado, encolhias os ombros, num gesto de como quem diz depois resolve-se.

Falavas que era preciso estradas, pontes e outras coisas que tais, para fomentar a proximidade, o desenvolvimento. O teu, o meu, o nosso.

Estou perdida. Ou estamos?

Sabes, nem sei quem manda em mim. Eu não sou. Mas também nem sei bem quem é, de onde são, o que querem.

Neste estado, sei lá o que é certo, sei lá o que é errado, quero lá saber. 

Há dias em que, tal como tu, também preciso de acreditar.

Afinal, o que tenho de melhor está intacto. Continuo a ser o sol, o mar e a montanha, onde um dia te vi sonhar.

Olha, sabes o que mais magoa? O que mais dói? É que já nem sei quem quero que me respeite, se devo suportar tudo ou não devo suportar nada, a todos ou só a alguns.

Oh pá, queres que eu pare para pensar? Não dá para pensar quando não há dinheiro.

Esquece as promessas, as injustiças, as ingratidões. Não tenho dinheiro, percebes?

No mundo de hoje, quando não se tem dinheiro, não se consegue pensar, não se pode falar, nada se pode fazer. Sem dinheiro, tudo é nada.

Pela minha saúde, juro-te, só consigo pensar em dinheiro. Penso no que me faz falta, meu querido!

Para mim serás sempre Meu. Também te amo.

Serei sempre a tua Pátria.

Mas se não podes fazer nada por mim, vai-te embora.

 

Sem mais,    

 

(publicado no jornal Folha do Centro, sexta-feira, 28 de Junho de 2013)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:03

Olá,

 

Esta é uma carta bruta e curta. E pública.

Quero que toda a gente saiba o que sofro contigo.

Para começar, quero dizer-te que tudo acaba no que sinto por ti: é amor, muito amor.

Há dias, ao ler a bibliografia do MEC, recordei o que gostei do livro em que se dizia que «O Amor é fodido». E é mesmo.

Só o amor pode justificar que uma pessoa como eu, depois de saber o que tu és, o que tu fazes e não fazes, e o que nunca chegarás a ser, ainda aqui esteja, sempre à tua espera, sempre disponível para ti, sempre a fazer tudo por ti.

Estás velha.

Estás falida.

Perdeste autoridade. Perdeste valores. Perdeste-te.

E eu estou triste.

Ás vezes estou revoltado. Outras vezes estou resignado. Quase nunca esperançado.

Há dias em que ainda quero acreditar. O sol que tu tens, o mar que tu és, as montanhas de onde te olho, fazem-me sonhar.

Sim, há dias em que quero acreditar, mas é cada vez mais difícil acreditar no que dizes, no que fazes, no que prometes.

Ai as promessas! Quantas vezes já acreditei em ti e…. nada! Não aconteceu nada, nada do que tu anunciavas para os amanhãs que afinal não cantaram.

E és injusta. Pior, és ingrata.

Não valorizas o que tem mérito, não agradeces o que se faz para ti, nem reconheces quem dá tudo por ti.

Andas baralhada.

Andas perdida.

Não sabes o que é o certo. Não sabes o que é o errado. Não sabes o que queres. Estás sem caminho.   

Olha, sabes o que mais magoa, o que mais dói? É que já não te respeitas! Aceitas tudo, de todos, de qualquer um.

Porra, pá! Pára para pensar.

Para mim serás sempre a minha Pátria: Amo-te.

Mas se continuas assim não sei se consigo viver contigo.

 

Sem mais,

 

(publicado no jornal Folha do Centro, quarta-feira, 12 de Junho de 2013 e "referido" em ca$h resto z€ro/rádio em Rádio Boa Nova FM 100.2 e radioboanova.com no mesmo dia.)

 

Nota de autor:

Depois deste texto já estar escrito, Silva Lopes, um homem sábio do melhor que Portugal tem e que não se esconde, apelava numa entrevista ao Jornal de Negócios, para que Portiugal se torne um país decente.

Um país decente preza-se e tem orgulho em si próprio. Sem deixar de ser um Estado de direito, tem uma noção clara dos seus interesses e das suas prioridades, de quem o ajuda e de quem o desajuda na resolução dos seus problemas.

Tem de ser grato, sob pena de se tornar injusto.

Daniel Bessa, que foi meu professor, também sublinha este fim de semana no Expresso o apelo proveniente da sabedoria de José Silva Lopes.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:43


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Julho 2019

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031


Posts mais comentados



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D