Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


CIM-RC-José_Carlos_Alexandrino_CMOliveira_Hospita

Alguém define José Carlos Alexandrino, o Presidente do Município de Oliveira do Hospital, como um tribuno e um exímio orador?

Alguém pensa que José Carlos Alexandrino, o agora presidente da Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra (CIM), chegou ao lugar por ser um animal político e sábio andante pelas “conversas de corredor”?

Talvez não haja, tão fortes são as evidências contrárias. Alexandrino bastas vezes tropeça nas palavras, as ideias atropelam-se e o caminho discursivo tem sempre curvas e cruzamentos. Alexandrino não é um carreirista político. Muitas vezes é demasiado emocional para o tacticismo político, falta-lhe escola. Aliás, não tem nada de jota nem jotinha, nos seus tempos de juventude na Cordinha.

Alexandrino chegou à vida autárquica sem passado político, ganhou eleições, conquistou maiorias eleitorais históricas e quiçá irrepetíveis, esmagou e “fez desaparecer” a oposição. Aprendeu a arte da política e da sobrevivência às adversidades, de forma célere e brilhante.

O “modus operandi” foi sempre o mesmo: uma proximidade absoluta e permanente com as pessoas - Alexandrino foi, muito antes de Marcelo, o presidente dos afetos e das fotografias; uma capacidade única de relacionamento com os seus pares; uma equipa coesa e duradoura; uma disponibilidade total; e uma autenticidade inimitável.

Nem o facto de ter chegado ao poder autárquico quando não havia dinheiro para nada, nem o facto de o concelho de Oliveira do Hospital ter sido devorado pelo fogo, no início do último mandato, foi impeditivo para o professor em pousio ter as pessoas consigo e para os seus pares lhe fazerem a vénia com a presidência da CIM – chapeau

Este Homem, a quem podemos chamar “O Marcelo das Beiras”, faz da autenticidade a sua imagem de marca e os autênticos, mais cedo ou mais tarde, são felizes.

Importa agora que José Carlos Alexandrino se mantenha em igual registo e que não se deixe cegar por tanto poder e ou não se deixe levar por um algum trapezismo político, devendo cumprir o seu mandato de Presidente do Município de Oliveira do Hospital até ao fim, de direito e de facto. E “aCIM” está bem.

Vitor Neves

(publicado no jornal Folha do Centro, 6 de Maio 2019)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:44

portugal.jpg

Reinventar o Interior.

Foi assim, de forma feliz, que o Departamento de Ciências Sociais e Humanas do Agrupamento de Escolas de Oliveira do Hospital, em registo de festa da Primavera, desafiou os protagonistas a conversa a olhar para dentro do Interior e a fazer saber ao exterior como se pode existir e construir futuro, na parte do país mais longe do mar.

O debate confirmou aquilo que já se sabia: o Interior está todo diagnosticado! Desde o despovoamento, passando pelo abandono até ao envelhecimento, não faltam teorias, números e exemplos em relatórios assinados por protagonistas de movimentos, com maior ou menor mediatismo.

O debate confirmou aquilo que já se temia: não é fácil definir o que fazer, como fazer, quando fazer para que o diagnóstico não se prolongue no enunciado de um país que evolui inclinado para o litoral. Na economia, na educação, no turismo, só para citar alguns exemplos, o país já tomba para a água salgada em valores superiores a 80%.

Os Universitários convidados para acrescentar conhecimento sustentado ao desembrulhar das opiniões, foram corajosos ao deixar algumas ideias contra-a-corrente e que nos despertam de algum fastio que se apoderou do blá blá da interioridade. A saber:

- é imperativo mudar o léxico: esquecer os subsídios!

- é preciso ter cautela com o mito do turismo redentor!

- é necessário um sobressalto político, com alguma radicalidade e mudar o modelo de desenvolvimento!

- é evidente que no Interior falta dinheiro!

Convenhamos, foram autênticas pedradas no charco da conversa política, que passa a vida a prometer luas e eldorados, assim se convencendo que, com as ilusões, aquece os corações daqueles que gostam, daqueles que vivem o ou no Interior.

Reinventar o Interior.

Talvez tudo se possa Reinventar, com o assumir da sublime mensagem do académico da cidade do mondego, João Luís Fernandes, quando falou daqueles a quem lhe deve ser concedido “o direito de ficar” no Interior. Tão justo quanto decisivo: o direito de ficar onde se é feliz.

Sim, em vez de se passar a vida a lamentar os que partiram e a “desgraça” do despovoamento, parece ser um bom caminho assegurar às pessoas que no Interior se sentem bem, realizadas e completas, o direito de ficar sem se ficar com a sensação de serem pessoas da parte do país de segunda.

Talvez tudo se possa Reinventar, com o Interior a perguntar ao Litoral:

- Quero ficar Aqui! Posso?

Vitor Neves

 

(publicado no jornal Folha do Centro, 11 de Abril 2019)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:31

festa.jpg

- Não sei se concordas comigo, mas esta festa, para mim, é uma prova de vida! 

Quem começa assim a conversa comigo é o António (nome fictício), num encontro não combinado num café da cidade, com pouca gente nas mesas ao lado.

- Eu gosto da festa do queijo. Boa ideia chamar-lhe festa. Há comida e bebida com fartura. No ano passado passei os dois dias a comer e a beber. Nem vi as gajas da televisão. Cheguei a casa a rir...dei uma beijoca à mulher, mas ela...vai dormir, vai dormir!...

Sabes, isto parece que está tudo cada vez pior. Mesmo queijo há pouco. Mas é barato. Não há ovelhas. Não há quem tome conta delas. Mas quem é que quer ser pastor?

Isto, depois de ter ardido, foi uma merda. Ainda me assustei. Aquilo foi o diabo. Por isso é que gosto tanto desta festa. Parece que estamos a fazer o manguito ao fogo: Toma! Embrulha! Ainda cá estamos!

Ah! Há outra coisa que eu gosto. Isto fica cheio de gente. Oh pá, até custa andar no centro da cidade. Há gente e carros por todo o lado. É uma festarola. Parece que até fico mais novo. Um gajo recorda muita coisa, sabes.

Estavas cá no ano passado? Há dois ou três anos vi-te na televisão...estavas, estavas! Eu vi-te, na rádio. Ai, isso foi de tarde. Antes vi-te no grande almoço, na tenda, numa mesa ao lado da mesa do Marcelo. Gosto do Homem. E tu? Na festa, por onde ele anda, é a loucura. Mas ainda não tenho uma fotografia com ele. Pode ser que seja este ano. Ele vem cá? Tenho que pedir ao Alexandrino. Também gosto dele, fala com toda a gente e também anda por todo lado. Teve azar com o caraças do fogo.

Eu gosto de ver cá tanta gente. Chateia-me ver isto vazio. Há dias que parece um deserto. É porreiro ver tanta gente de tanto sítio.

Estás cá este ano? Este ano vai ser melhor do que no ano passado. Temos que ir beber um copo, os dois.

No ano passado estávamos todos f......! Isto ainda estava preto, ainda cheirava ao fogo. O pessoal andava de cabeça baixa, triste. Morreu muita gente, pá. E muitos perderam tudo. Olha eu bebi e comi para esquecer! Sabes como é, um gajo tem que arribar.

Agora, já passou mais de um ano, a coisa já está mais verde, alguns já voltaram a ter casa. Vai ser uma festa. Tem que ser. É preciso.

 

( - ...estás a fazer muitas perguntas! Vais escrever o que te estou a dizer?-

- vou.

- Oh pá, tu vê lá. Não digas o meu nome. Mas vais escrever mesmo?)

 

Vitor Neves

 

(publicado no jornal Folha do Centro, 12 de Março 2019)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:24

cara1.jpg

A vida no Interior é fixe.

Fixe pode derivar de imensos atributos, mas não deriva de barato.

Se alguém faz um plano de vida, com pressupostos de que no Interior é Mais barato, é bom que saiba que só o plano é fixe: caso não (re)faça bem as contas é bem possível que se lixe!

No Interior pode não ser necessário tanto dinheiro para viver bem, mas não se gasta menos dinheiro se a base de análise do consumo for a mesma, por exemplo, de alguém que viva mais encostado ao mar. No Interior consome-se menos e por tal gasta-se menos: há menos oferta e sabe-se como a escala da oferta empurra a escala da procura.

No Interior, hoje, para a vida ser fixe, cada vez mais é preciso mais dinheiro. A economia de subsistência, que tanto dinheiro dispensava, transformou-se em “ervados” campos de cultivo abandonados. A doméstica criação de galinhas, coelhos e porcos deu lugar ao cão e gato de estimação e companhia. E lá se foi a economia.

Vamos a “casos da vidinha real”:

- um pequeno almoço, absolutamente continental, pode custar mais 10 ou 15 cêntimos em pastelaria do Interior semelhante a uma pastelaria do litoral;

- um almoço executivo, em restaurante de nível médio-superior, pode custar mais dois ou três euros no Interior - e o prato-do-dia também;

- nos supermercados do litoral, há mais e melhores promoções de tudo ou quase tudo que ocupa as prateleiras, bem mais diversificadas de opções;

- contratar um operário no Interior é mais dispendioso no Interior 5 a 10%;

- contratar um quadro superior para uma empresa, caso haja disponível no mercado de emprego, é sempre mais caro no Interior e a diferença de custo total é quase sempre superior a 20%;

- comprar roupa, calçado e outras utilidades no litoral é sempre mais fácil e muito mais fácil encontrar bom e… barato!

A lista podia continuar mas já chega para ilustrar.

Sim, no Interior vive-se bem com menos dinheiro, mas não é mais barato – não é, não é!

As distâncias entre as coias “são mais curtas”, as filas de trânsito são de três carros, tudo está à mão em menos de um quarto de hora, vai-se a muito lado a pé, há muita coisa que no litoral é paga pelo dinheiro privado e que no Interior se paga com o dinheiro público: é da não necessidade de gastar que o Interior é fixe para viver bem - pois é, pois é!

- Que ninguém pense que no Interior é que é barato! Pode sair-lhe caro.

Vitor Neves

(publicado no jornal Folha do Centro, 21 Fevereiro 2019)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:07

mazeite.jpg

O museu do azeite é uma Obra.

A visita foi breve, mas deu para ver que o museu é muito mais que a evocação do caminho estreito da azeitona para transpirar azeite.

O museu do azeite é uma ode de arquitetura, uma vénia ao passado com o toque digital do presente, um espaço bem desenhado e bem inserido na natureza do local, um conteúdo de conhecimento que ali assegura que chegará ao futuro.

O museu chega até a ter graça: a célebre, tradicional e rústica definição de desconhecimento - “sei tanto disto como de lagares de azeite” - deixa de ser o que era, depois de uma visita ao muito Saber que ali se mostra. Ou como o azeite pode juntar no topo “outra” verdade: “sei tanto disto como de lagares de azeite” é saber mesmo...depois de ter ido ao museu!

A Bobadela, Oliveira do Hospital, a Região e o País podem ter ali um verdadeiro ícone de ovos de ouro, assim o poder Público saiba potenciar a coragem, o mérito, a visão e o bom gosto de um investidor Privado.

O Público e o Privado raramente se abraçam com facilidade. Há exemplos desta “dificuldade” em muitos locais e no local de Oliveira do Hospital também.

Estranha-se, por exemplo, que o museu ainda não tenha sido objeto da justificada e necessária sinalética.

Três turistas espanholas, com quem falei junto ao arco romano, desconheciam em absoluto o que, dali a nada, estaria à vista - o Museu do Azeite. E dali mais abaixo, um popular lamentou-se comigo sobre a falta de informação: uma tristeza, desabafou.

Em devido contexto, o Museu do Azeite pode ser para Oliveira do Hospital e para a região centro-Interior, o que o Museu de Serralves foi e é para o Porto e para a região norte - um polo de atração, um traço de identidade, uma casa distinta de cultura.

Veremos se, desta vez, o Interior é capaz disto.

Veremos se quem está no Poder no Interior, visita o museu, e fica a saber tanto de lagares de azeite que sabe tratar disto; ou sabem tanto disto como de lagares de azeite e o museu nunca será mais do que um museu!

A resposta não demorará a vir ao de cima, como o azeite.

Vitor Neves

(publicado no jornal Folha do Centro, 25 de Janeiro de 2019)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:30

Natal Verde(?)

28.12.18

Foto.jpg

O preto do postal de Natal do Interior apagou-se.

Passou um ano e a Natureza fez a sua parte do Renascer. Passou um ano e parece que a natureza do ser humano não fez tão bem a sua parte.

Um Natal depois do Natal a seguir ao fogo, fica a ideia que muito aconteceu ao contrário.

Depois da “festa” do Primeiro Ano Depois, há muito Não quando se vê tudo através do retrovisor.

A solidariedade Não foi sempre bem gerida; a honestidade Não foi o pressuposto de todos; a celeridade Não foi a esperada; a unidade Não foi sempre realidade.

Neste tempo de festas, procure dar tempo ao tempo de olhar a Natureza - o preto do Natal passado morreu.

A força da Natureza esmagou o preto com o verde, a cor do Renascer.

Há paisagens que (quase) já não permitem a memória do fogo: impressionante.

A Natureza devia estar aborrecida com a natureza do ser humano. E há seres humanos que deviam usar a sua natureza para converter, para contagiar, para provocar a pobre natureza de Outros.

Há pessoas que assumiram o Renascer como uma prioridade de vida e inspirados pela Natureza e pela força da sua natureza fizeram a sua reconstrução. Outras, Não.

É desconcertante pensar que também desta vez o Interior não foi capaz de ser Todos. Só mesmo a Natureza está Toda verde…e viva!

Neste natal já não cheira ao queimado, mas cheira que muito importa fazer para não se continuar a queimar o futuro!

Há uma dolorosa ironia que agora nos queima: a chama do fogo apagou-se.

Sim, os ministros deixaram de passar; os turistas de ocasião deixaram de vir; a solidariedade deixou de chegar; as notícias deixaram de sair.

Ou o Interior é veloz na reconstrução, inteligente a olhar em frente e corajoso para se deixar de lamentos; ou o Interior será cada vez mais deserto no labirinto do seu próprio interior.

Este Natal Verde que a Natureza oferece ao Interior, é um mandato para fazer futuro.

Vitor Neves  

(publicado no jornal Folha do Centro, 21 de Dezembro 2018)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:59

Morte Shopping!

18.12.18

image1.jpeg

É de Oliveira do Hospital? Não? Então não leia, por favor.

Este texto é só para si, para mim, para nós que somos da cidade do Cavaleiro.

A tristeza que muito alimenta a poesia, aqui vai ter que ser escrita em prosa grossa.

Numa visita relâmpago à cidade e após um almoço ainda mais veloz, fui tomar café à outra parte da frente, que sempre parece ser a parte de traz, do shopping center areias.

Não ia ali há anos. Decidi entrar para ver como estava o shopping.

Foi um choque frontal, brutal. Ultrapassado, gasto, envelhecido, descuidado, (quase) vazio, sujo.

Desolador.

O shopping fugiu dali. Recordei lojas que ficaram na memória da minha vida: a Top Sport do meu amigo e já falecido António Mendonça; a Udisco do meu amigo Luís Moreira. E outras…

O Shopping era a cereja que suportava o bolo que era o prédio areias, onde fui muitas vezes feliz. Foi ali que a Rádio Boa Nova começou e comecei ali com ela, até hoje; foi ali que dei os primeiros passos para entrar no mundo da gestão das empresas, até hoje; era ali que o meu amigo e também já falecido Neca Areias, abria a porta do último andar para me dizer que sim a mais um contrato de publicidade para a Rádio; talvez tenha sido ali que alguém, com o topo sob os pés, teve a ideia dos drones, tal a vista, tal a ilusão que nos fazia voar a imaginação e o prazer de ver por cima e até lá longe.

O Shopping Areias já não existe. Já nem resiste. É um espaço triste. 

No coração da cidade, ao lado do Café Portugal e da Câmara Municipal?! Como foi possível, como é possível?

Talvez o espaço já não seja espaço para o negócio. Talvez já não haja negócio para o espaço. Talvez seja preciso fazer obras, pensar o espaço, dar outro uso ao espaço…ou fechar o espaço!

A localização é demasiado boa e demasiado importante para a cidade: se “aquilo” não pode sair dali, não pode estar assim. “Aquilo” precisa de ser outra coisa: nem com sorte se livra da morte, o shopping. 

O Shopping areias não é caso único. É um caso evidente de um dos grandes dilemas do interior - o nada não gera dinheiro, sem dinheiro só fica o nada.

E não adianta nada apontar o dedo “ao dono”. Não há negócio, não há investimento.

Aqui está um caso que o poder público não pode ignorar. Pode e deve cuidar. 

Vitor Neves

(publicado no jornal Folha do Centro, 7 de Dezembro 2018)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:03

Conhecimento

26.11.18

read-512.png

Há dias que nos encostam à parede.

A pergunta é sempre a mesma e chega sempre em veículo provocador e mais ou menos agressivo: vá, diz lá, como é que “resolvias” o problema do Interior?

Digo sempre a resposta com o mesmo conteúdo.

Nunca digo estradas, emprego, estado ou qualquer coisa que tal, tal como investimento. Sempre digo...Conhecimento!

Isto não é filosofia, nem uma lufada de sofisticada contemporaneidade.

Isto é a realidade, a actualidade.

Responder Conhecimento serve para tudo e (não) serve para nada. Conhecimento é o tudo demasiado próximo de dar o passo em frente no abismo do nada – mas é por aqui.

Tal como é nada dizer que a internet liga o mundo todo ao Conhecimento. A internet ajuda, facilita mas não resolve e assusta, como se notou na recente festa da Web Summit em Lisboa.

O Interior só vai conseguir reestruturar-se, mudar-se, ajustar-se, transformar-se e manter, prender e absorver pessoas, se ensinar, partilhar e desenvolver Conhecimento.

É muito difícil ir por dentro desta necessidade, de quem deseja um Interior com futuro, numa impressão num canto de uma folha de jornal.

Chegar ao Conhecimento não é fácil, é complexo, dá trabalho, é duro.

Se assim é, importa também ser duro na dimensão curta da mensagem: o Interior precisa de uma militância fascista pelo Conhecimento. Assim mesmo. O Interior precisa que cada um dos seus partidários, seja um exemplar de Bolsonaro-em-bom, no respeito pela Bíblia e pela Constituição do Conhecimento.

Ao usar a palavra “exemplar”, surge a sugestão de olhar para Oliveira do Hospital como um exemplar que, em pouco mais de vinte anos, foi palco de criação e desenvolvimento de instituições de Conhecimento como a Eptoliva, a ESTGOH e a BLC3 – sim, é por aqui, é por aqui o futuro!

Esta Visão é de tal modo séria, importante e decisiva, que nenhum de Nós tem o direito de não estar disponível, não contribuir, não ser solidário e honesto para com uma causa comum, que vai para além do que cada um de nós particularmente ambiciona ou deseja, no curto prazo que é o tempo da nossa passagem.

Se o Interior conseguir captar Conhecimento, acreditem que vai chegar dinheiro e não vai faltar estrada para cá chegar. E vai saber bem ficar.

Vitor Neves

(publicado no jornal Folha do Centro, 13 de Novembro 2018)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:45

Famosos do Fogo

16.05.18

f.jpg

O Fogo.

A Fama.

Depois de ter ardido, o Interior tornou-se conhecido.

Desde o dia 15 de Outubro, Portugal acordou para o Portugal que se queimou.

A desgraça é a graça da audiência.

A desgraça é palco de graça da popularidade.

Já não há nada de novo para ver. Já não há nada de novo para dizer. Mas contínua o ir e vir.

Os daqui, do Interior, vão até Lisboa dizer que isto ardeu e que perante tanta desgraça é preciso dinheiro, dinheiro.

Os dali, de Lisboa, do poder, da oposição visitam a terra queimada e, confrontados pelas imagens e pelas histórias da desgraça, prometem apoio, apoio.

Tudo isto dá na TV. Também dá na Rádio. Também é contado nos jornais. Mas o Interior gosta mesmo é da TV.

O Interior queimado, deserto, esquecido, envelhecido é o cenário explorado até à exaustão, numa novela que já vai em registo de várias temporadas, em que diferentes protagonistas se tornaram figuras conhecidas do fogo – uns legitimados pelo que fazem, outros fazem tudo para parecer legitimados!

São os (nossos) famosos do fogo. São os filhos da fama do grande incêndio.

Talvez não seja bonito escrever assim, mas é o que se sente ao assistir ao desfile de vaidades de alguns desses protagonistas nas redes sociais – sublinhe-se, alguns - quando anunciam que hoje vou à TV, quando anunciam que hoje fui à TV, quando não conseguem controlar a exibição do ego de quem se vê na TV.      

Basta passar uns dias pelo meio da terra despida pelas chamas, para se perceber que há uma maioria silenciosa que está cansada!

Cansada de ver a nudez da sua terra na TV; Cansada de ver os amigos e os vizinhos a narrar a sua miséria na TV; Cansada de tanta popularidade daqueles que julgam ser um caso nacional ao ler o seu nome no jornal; Cansada de ver este Interior na TV, tantas vezes na TV!

A fama cansa. A fama do fogo queima.     

Vitor Neves

 

(publicado no jornal Folha do Centro, 10 de Maio de 2018)

           

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:30

A Tosquia

09.03.18

foto.jpg

Era uma vez um miúdo.

Num certo dia, que certos dias passados se repetia, chegavam os homens. Os homens traziam com eles os utensílios necessários. Os homens agarravam as ovelhas pelas patas e com as patas viradas para o céu, cortavam. Os utensílios ajudavam a arrancar a lã. Era o dia da tosquia.

No final do dia, as ovelhas ficavam em pele, despidas, nuas. A lã fazia montes. Gente grande explicava a utilidade, mas tudo aquilo era um quadro de crueldade.

O miúdo era eu. Nunca gostei do dia da tosquia.

Nos últimos tempos, tenho serpenteado frequentemente as estradas de Oliveira do Hospital, Nelas, Mangualde, Carregal do Sal, Vouzela, Oliveira de Frades, o IP3, a A25…tenho percorrido, mais uma vez e outra vez, o interior que ardeu, que se queimou, que se pintou de preto.

Os olhos contemplam a tosquia da paisagem.

Parece que se vê mais longe, parece que se vê mais para o outro lado, parece que há mais espaço, parece que há mais pedras, parece que a “a nossa casa” ficou sem cortinas – vê-se tudo!

As árvores queimadas começam a ser objeto de corte e o espaço começa a ficar vazio. As árvores queimadas, mas ainda de pé, parecem traços pretos. Tudo parece estranho. Falta o verde. E falta ramagem à paisagem.

O fogo fez a tosquia ao Interior.

O Interior ficou despido, nu. Tal como as ovelhas sem lã, depois da tosquia, o Interior não parece o mesmo, não é hoje o que era. Exibe um ar de desamparado, assustado, perdido. Falta-lhe a densidade da paisagem, a lã que o definia, que o confortava.

O Interior está em pele e osso. Quer faça chuva, quer faça sol, em pele e osso qualquer dia é difícil de suportar. Todos os dias.

Era uma vez um graúdo.

Num certo dia, entre as curvas da estrada que cortava ao meio a paisagem das “pedras queimadas”, na rádio, o Palma cantava “a gente vai continuar”… e num instante tudo pareceu mais verde do que no dia anterior!

O graúdo sou eu. Sempre gostei do dia a seguir ao da tosquia.

 

Vitor Neves

 

(publicado no jornal Folha do Centro, 8 de Março de 2018)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:33


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Junho 2019

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30




Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D