Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Conhecimento

26.11.18

read-512.png

Há dias que nos encostam à parede.

A pergunta é sempre a mesma e chega sempre em veículo provocador e mais ou menos agressivo: vá, diz lá, como é que “resolvias” o problema do Interior?

Digo sempre a resposta com o mesmo conteúdo.

Nunca digo estradas, emprego, estado ou qualquer coisa que tal, tal como investimento. Sempre digo...Conhecimento!

Isto não é filosofia, nem uma lufada de sofisticada contemporaneidade.

Isto é a realidade, a actualidade.

Responder Conhecimento serve para tudo e (não) serve para nada. Conhecimento é o tudo demasiado próximo de dar o passo em frente no abismo do nada – mas é por aqui.

Tal como é nada dizer que a internet liga o mundo todo ao Conhecimento. A internet ajuda, facilita mas não resolve e assusta, como se notou na recente festa da Web Summit em Lisboa.

O Interior só vai conseguir reestruturar-se, mudar-se, ajustar-se, transformar-se e manter, prender e absorver pessoas, se ensinar, partilhar e desenvolver Conhecimento.

É muito difícil ir por dentro desta necessidade, de quem deseja um Interior com futuro, numa impressão num canto de uma folha de jornal.

Chegar ao Conhecimento não é fácil, é complexo, dá trabalho, é duro.

Se assim é, importa também ser duro na dimensão curta da mensagem: o Interior precisa de uma militância fascista pelo Conhecimento. Assim mesmo. O Interior precisa que cada um dos seus partidários, seja um exemplar de Bolsonaro-em-bom, no respeito pela Bíblia e pela Constituição do Conhecimento.

Ao usar a palavra “exemplar”, surge a sugestão de olhar para Oliveira do Hospital como um exemplar que, em pouco mais de vinte anos, foi palco de criação e desenvolvimento de instituições de Conhecimento como a Eptoliva, a ESTGOH e a BLC3 – sim, é por aqui, é por aqui o futuro!

Esta Visão é de tal modo séria, importante e decisiva, que nenhum de Nós tem o direito de não estar disponível, não contribuir, não ser solidário e honesto para com uma causa comum, que vai para além do que cada um de nós particularmente ambiciona ou deseja, no curto prazo que é o tempo da nossa passagem.

Se o Interior conseguir captar Conhecimento, acreditem que vai chegar dinheiro e não vai faltar estrada para cá chegar. E vai saber bem ficar.

Vitor Neves

(publicado no jornal Folha do Centro, 13 de Novembro 2018)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:45

BLC-3-580x333.jpg

O ser pequeno empurra-nos constantemente para encher a boca com “o melhor do mundo” ou “o maior do mundo”. Não é desconsolo, é consolo.

A BLC3, é uma das melhores 25 incubadoras de empresas do Mundo, uma das 10 melhores da Europa e a melhor de Portugal, dizem os sediados na Suécia da UBI (University Business Incubator).

Oliveira do Hospital (e mesmo a beira-serra!) não tem mais nada assim, no topo do mundo. Um consolo.

E a concorrência era forte: 500 à partida, mais de 300 na avaliação final e…22º lugar!

É obra, BLC3. E por isso a comunicação social nacional (e não só) fez vénia e deu a boa notícia: incubadora de Oliveira do Hospital entre as melhores do mundo.

Vénia à BLC3 também fez o centrista Luís Lagos na Assembleia Municipal. Ele com todos, em unanimidade: Viva a BLC3! Lindo.

Todos num “viva a BLC3”!? Ai agora!? É tão bom ficar na fotografia quando corre bem, não é? Fica bem, sabe bem, é bem, e ainda bem.

Foi de mestre, mais esta iniciativa de um dos políticos mais promissores do concelho de Oliveira do Hospital.

Aqui se escreveu, ainda no primeiro mandato autárquico de Alexandrino, que a BLC3 era um dos melhores projectos de Oliveira do Hospital. Não faltou gente a discordar, por desconhecimento, agora ultrapassado pelo reconhecimento vindo de fora.

Os predicados da BLC3, de ontem e de hoje, são os mesmos e é o que lhe confere a importância e o reconhecimento: inovação, ciência e conhecimento, tecnologia e juventude.

Os riscos da BLC3, de ontem e de hoje, são os de sempre e intrínsecos a projectos desta natureza: é preciso dinheiro, é preciso tempo e…os resultados podem nunca chegar a ser o que se ambiciona, ou mesmo nunca se chegar a ter.

E o futuro? Não sabemos. Sabemos que “os resultados” da BLC3, até hoje, são muito positivos, para a incubadora, para oliveira do Hospital, para a região e para Portugal…e, pelos vistos, o mundo aprecia.

E agora? Agora a sigla BLC3 já não estranha e o que a plataforma faz está num crescendo local de entranha.

E agora? Agora a BLC3 tem que mudar de instalações até final do ano, caso contrário tem que arranjar dinheiro para pagar a renda. A Câmara vai deixar de pagar!!!    

 

(publicado no jornal Folha do Centro, 18 de Dezembro de 2015)    

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:04


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Julho 2019

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031




Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D