Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



CONVERSAS SEM FAMÍLIA

  

O discurso proferido em 3 de Maio (dois dias depois do “dia do Trabalhador”) pelo Primeiro Ministro (ia a dizer “Primeiro Ministro da Troika”) lembrou-me as “Conversas em Família” de Marcello Caetano, da minha mocidade. Não é que Passos Coelho tenha a estatura cultural do sucessor de Salazar. Logicamente que lhe fica muito atrás. Por isso Marcello tentava  — e fazia-o com mestria  —  encantar o povo com um raciocínio claro e uma forma coloquial, próprio de um excelente professor. Se me recordou as “Conversas em Família” (“Conversas sem Família”, como lhe chamo) é porque tentou, com o que chamamos uma “retórica de poder”, convencer os portugueses, a qualquer preço, de que não havia outra maneira de salvar Portugal do que o uso da sua receita, em prejuízo sobretudo dos funcionários públicos e pensionistas, e também de toda a economia e da generalidade da sociedade. E a maioria dos funcionários públicos e pensionistas lutaram mais pelo país, com o seu trabalho e a sua dedicação, do que o ministro durante a curta vida de gestor e a sua longa militância política na JSD e no PSD e, agora, no governo.

Marcello tentava convencer — e convencer-se — de que não havia outra saída para o Estado Corporativo, lutando contra o comunismo e contra o Estado demoliberal, e que havia que manter a guerra colonial a todo o custo, pressionado na sua última fase de vida política pelos ulta-salazaristas, à frente dos quais estava o Presidente da República, Américo Tomás, e com a aceitação tácita do ocidente europeu e americano. Não olhava o que se passava à sua volta, num país que, apesar dos seus “brandos costumes” (que nem sempre são brandos), já não acreditava em fórmulas do passado salazarista. E assim surgiu o 25 de Abril.

Passos Coelho tenta convencer — e convencer-se — de que luta ainda pelo país, que não o ouve e que dele discorda, emitindo discursos em que prega o despedimento, aumenta o número de horas de trabalho dos funcionários públicos e adia a idade da reforma, defende as taxas lançadas sobre os pensionistas, pensando mesmo acrescentá-las, através de processos ainda pouco claros, tão pouco claros e ilegítimos que o seu ministro Paulo Portas veio agora contrariá-lo. Segundo diz e dizem os seus companheiros desta triste  jornada, fá-lo para manter o Estado Social sustentado e os princípios da igualdade e da equidade, aproximando o “público” do “privado”, quando, numa lógica de Estado Social de Direito Democrático (não nos esqueçamos que Marcello Caetano usou também o termo “Estado Social”, no seu caso Estado Social de Direito Corporativo e Autoritário, para substituir o desgastado conceito de Estado Novo), deveria ser sempre o “público” a orientar o privado, pois sabemos que este, acima de tudo, procura, legitima ou ilegitimamente, o lucro. Os exemplos dos bancos e das grandes empresas, como até de algumas pequenas e médias empresas, como algumas escolas particulares, e a sua política de emprego, aí estão para o provar. Ou seja, como seria de esperar, tendo em conta as suas posições empiricamente formadas, quase sem uma nesga de cultura política consolidada, Passos aí está a tentar justificar o Estado neoliberal e de austeridade, com argumentos injustificáveis, agora apoiado também por um Presidente da República que sempre alinhou por essa ideologia, quando ela tinha a face de desenvolvimento e de consumismo, e que regressa das cinzas com o seu ar distante (distante do mundo e do país que devia representar), mas com a eficácia de um quase membro do executivo.

Já nada me admira neste mundo. Salazar dizia que tudo fazia pela Nação, que não estava agarrado ao governo (onde esteve 40 anos) e que… havia sempre um comboio para Coimbra ou para Santa Comba, para voltar a ser professor ou regressar à sua terra natal. Neste tempo, também se diz que tudo é feito por Portugal, mas já nem se fala do tal comboio, num tempo em que ele foi substituído pelo automóvel particular ou do Estado.

Não me admira que Passos Coelho não o diga e que se mantenha agarrado ao poder. Ele está, como outros no passado recente e outros no presente, a construir a sua carreira na Europa, ou mesmo no Mundo, e não em Portugal. Mas, francamente, admira-me que alguns ministros não o façam, sem dúvida sérios e cultos, com as suas profissões construídas, os quais, todavia, preferem sacrificar a sua vida de cidadãos livres, mantendo uma política de sacrifício dos seus ideais, por exemplo no domínio da saúde e da assistência social ou da educação e da cultura. Em troca de quê? Francamente, gostaria de saber.

Entretanto, vamos ouvindo estas novas “Conversas em Família” ou “Conversas sem Família”, agora através de entediantes discursos de quem pouco sabe mais do que política neoliberal, agora de austeridade, novas conversas que vão alimentando ou revoltando este país. O Portugal dos três FFF está outra vez reconhecível: Futebol (que faz esquecer a austeridade),  Fado (agora convertido em “património” e, felizmente, já com outro tom do que o simples “fado português”, com “destino marcado na palma da mão”), e Fátima (de vez em quando, para recordar que este povo sofredor pode ter algum apoio do além) e, agora, de um T, de Televisão (para entreter o Zé Povinho, com telenovelas, futebol, discursos e comentários políticos e outras formas de adormecer).

Gostaria de, finalmente, aclarar o meu sentimento crítico, com uma nota importante. Ao estabelecer uma comparação de aspectos desta democracia com o marcelismo salazarista, não estou a dizer — eu que sou historiador, embora fale aqui sobretudo na qualidade de cidadão — que o Estado hoje se compara com o “fascismo à portuguesa”. De modo algum. O que não receio dizer é que há muitas formas de democracia. A que procura conjugar democracia política e democracia social, mas também a mera democracia política com que o Capitalismo sempre viveu e alimentou, que prega a liberdade económica e a excelência do “privado”. Também há democracias com soberania e democracias dependentes de comunidades internacionais, como desta “Europa”, que, para mim, eurocrítico desde a primeira hora e defensor de uma Europa Cultural, sempre rebati, devido ao seu pecado original burocrático e economicista. E há também democracias políticas de maioria absoluta, que — como se tem provado — facilmente, em Portugal, se transformam em democracias autoritárias e anti-sociais.

Que democracia é esta? É óbvio: estamos numa democracia política capitalista e neoliberal, autoritária, e de dependência. Cavaco Silva, Passos Coelho e seus amigos são bem o seu símbolo. Por isso, se há que construir outra democracia há que lutar contra esta. Aqui e em todos os países da Europa, numa lógica de solidariedade, afinal própria daquela Europa que defendemos, a “Europa dos Cidadãos”.

Caso contrário, ainda nos cai em cima não “outro 25 de Abril” (como por aí dizem), mas “outro fascismo”, com outra forma. A “política” (como arte e não como cidadania) sempre soube usar o disfarce. E não nos esqueçamos que se está a celebrar, neste ano, meio século de O Príncipe, de Maquiavel.

 

Luís Reis Torgal

Cidadão democrata e professor catedrático aposentado da Universidade de Coimbra.

 

(Publicado no jornal Público, de 9 de Maio de 2013)

 

 


 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:28


1 comentário

De Abílio Manuel Guerra Junqueiro a 03.06.2013 às 12:22


Dr. Vítor Neves;

Peço desculpa, mas fazia-o mais inteligente.
Este texto que postou, e que felizmente não é seu, não passa de mais uma acha da fogueira “Soarista”, e no meu entender mais um entrave para a solução financeira do País.
Vamos ver se acordamos: Mário Soares, BE, CGTP, UGT e todos aqueles que reclamam um estado de esquerda, são uma minoria muito bem implementada na comunicação social.
Mário Soares então, que tinha metido o socialismo na gaveta, acordou do pesadelo em que nos ajudou a meter, e encontrou a chave dessa gaveta. Vem tarde, muito tarde, e completamente fora do tom.
Ele que assinou a entrada na CEE, e que anteriormente nos colocou na banca rota, vem agora dizer que não quer esta CEE. Sabemos que quer aquela que lhe deu milhões. Já os gastou? E a venda das ex-colónias também já foi? E da venda de Macau, ardeu?
Caro Vítor Neves, estes “palermas” querem instaurar um regime de esquerda sem eleições, porque na realidade o povo não os quer, nem nunca o conseguiram democraticamente, por isso utilizam estes veículos maioritariamente pagos pelo erário público.
Depois temos aqueles que sabem que o governo está actuar bem e que vai tirar-nos do buraco. Não querem, porque perdem protagonismo e regalias, são os antigos PSD’s e CDS’s. O Cavaco também gostaria de fazer parte deste grupo, mas a sua posição não o deixa.
Estes indivíduos como o Marcelo R. Sousa, Marques Mendes, Ferreira Leite, Bagão Félix e muitos outros, inserem-se neste grupo, onde o sucesso do governo é proporcional ao seu desaparecimento. Recusam-se a desaparecer, no entanto depois de analisadas as suas prestações governamentais, prova-se que ficam muito aquém deste governo.
A verdade é só uma, se queremos ser Europeus da CEE, temos que cumprir com os requisitos que acordamos, pois foi muito bonito andarmos 25 anos a receber cada um 900€ por dia, e agora dizermos que estamos falidos por culpa da Alemanha.
Meus senhores, os principais culpados são estes que de um lado ou do outro investem contra o governo. O governo que menos culpa tem no cartório, e que até agora é o único garante da nossa estabilidade nacional e internacional.

Cumprimentos
Guerra Junqueiro

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Maio 2013

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031




Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D