Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


22_09-Cavaco.jpg

Está tudo certo. Quase.

Não há nada de ilegal, de mal ou fatal na união das esquerdas.

Costa não é golpista, nem perigoso, tão só foi disruptivo, inovador e surpreendente... e tomou conta dos acontecimentos - aqui não se julgam carácteres.

É facto que a maioria parlamentar é de esquerda e é contra o governo da coligação de direita - e há outras coisas que os "pequenos" de esquerda também são contra, mas naquelas quintas há contras que são mais iguais do que outros.

E sendo assim o governo pode ser derrubado, cair.

E é bom para a democracia tudo se tornar claro: os de esquerda do lado esquerdo; os de direita do lado direito. De esquerda e de direita ao centro é contra-natura.

Está tudo certo. Quase.

E o Quase é o detalhe que permite e não invalida toda a estratégia de Costa, excepto governar, excepto ser primeiro-ministro.

O primeiro-ministro tem que ser do partido mais votado, não do partido "mais" derrotado.

E no derradeiro momento Cavaco pode rachar os acordos que sustentam o empurrão a Costa e ao PS para o poder, e não deixar.

Cavaco, sendo coerente com o que disse, não deve deixar Costa ser Primeiro sem primeiro ir a votos.

Até lá ficamos a Passos de gestão até às Portas das eleições.

E finalmente Cavaco é Presidente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:28

2015-10-15-Montagem-Passos-Costa-Jeronimo-CatarinaJá está. O Governo tomou posse.
E Portugal precisa de governo.
Para ter governo, o país precisa de Cometimento, de Confiança e de Capital ou, como aqui se gosta de dizer, de Cash.
São 3 C's que o Governo precisa de assegurar para o país ter governo... e a primeira condição para chegar a qualquer dos C's é ter Governo.
Curiosamente também somam 3 C's as iniciais de três dos protagonistas da política nacional:

Catarina,

Cavaco, e

Costa.

A seguir, 3 sms's para os 3 C's.

Catarina: a Menina vive o grande momento da sua vida política, mas não se convença que agora é sempre a subir. Olhe que não, vai ser a descer e até pode parecer-lhe que vai a subir.
Como actriz que foi, sabe o que é o palco. Não se chegue muito à frente, pode cair. E desempenhe apenas e só o Seu papel. Não se deslumbre.

Cavaco: o Senhor ou diz o que deve mas não faz o que devia; ou faz o que deve e diz mais do que devia; ou não disse nada nem fez nada que a gente se lembre. É falta de jeito. Pouca sorte, Sua e nossa. E que jeito que dava o Senhor ter jeito para Presidente. Pelo menos uma vez, desta vez(?).

Costa: o Senhor perdeu as eleições.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:17

Ai o voto...

11.10.15

voto.gif

Portugal foi a votos. Portugal ficou pior do que estava.

Quem ganhou, não tem maioria para governar. (Passos como Sócrates quando perdeu a maioria... e Sócrates governou até ao dia que Passos deixou...)

Quem perdeu, pode somar votos para governar, a três, em maioria...com ideias que não somam.

Nada faz sentido.

Cavaco, o Presidente, quer um governo com todos, e assim acabar com a alternativa que é base da democracia.

Costa, o derrotado, parece querer(?) ser primeiro ministro, com o "seu" PS que perdeu em toda a linha - nem o PSD ultrapassou na AR - e com o apoio do BE e do PCP...que tanto mal lhe fizeram e dele disseram.

O PCP que não quer a Europa nem o Euro, mas quer o PS no governo!...e um ex-padre madeirense em Belém!!!

Nada faz sentido.

Portugal é um êxito para a política europeia mas um problema económico, com uma dívida pública de 2015 em 130% do PIB, com desemprego elevado, limites de défice ultrapassados, sem crescimento e a dever mais dinheiro ao estrangeiro do que em 2011. E pendurado no benefício do momento de juros baixos e petróleo a preço de saldo.

Nada faz sentido.

Quem ganha deve governar e a maioria só devia ser necessária para três ou quatros decisões de âmbito estrutural.

Assim faria sentido, mas não faz, porque não é assim que está escrito nos livros da lei.

Vamos ter que ir a votos outra vez. Mais cedo ou mais tarde. Que pena não poder ser já...

Portugal não se governa em minoria, e não pode ser governado pela maioria que perdeu.

Não faz sentido. Não é sério.

Portugal governa-se com quem ganha nas urnas: se somar uma maioria, melhor...e mesmo assim, sabe Deus!...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:47

Temos governo !?

24.07.13

Temos governo!

Fez bem Cavaco ao recuar e em deixar governar quem lá está até ao final da legislatura.

 

Temos governo?

Vamos esperar que sim, ainda que tantos dias pareça que não.

 

Temos governo!?

Parece que sim e ainda bem.

Mas custa ver Portas, depois do que fez, tomar conta disto...  

 

 

(opinião emitida em ca$h resto z€ro/rádio, segunda-feira, 22 de Julho de 2013, em Rádio Boa Nova FM 100.2 e radioboanova.com )

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:14

21 dias de nada!

22.07.13

 

- Um dia um ministro demite-se e diz que falhou. (as demissões foram três, e à terceira foi de vez!)

 

- Outro dia e outro ministro demite-se irrevogavelmente. (o líder do segundo partido da coligação!)

 

- Um ministro(a) toma posse, na tarde do mesmo dia.

 

- O Primeiro-Ministro não se demite. Nem aceita a demissão do líder -agora menos- Popular. 

 

- As taxas de juro sobem.

 

- A maioria que governa faz as pazes e prepara um novo governo com velhos e novos ministros.

 

- As taxas de juro descem.

 

-O Presidente não aceita o novo governo, anuncia eleições antecipadas para daqui a um ano se for "assinado" um acordo a três (PSD, CDS-PP, PS) de salvação nacional.

 

- As taxas de juro sobem.

 

- Os três "assinaram" um desacordo de salvação de cada um deles.

 

- Cavaco, o Presidente, anuncia uma moção de confiança e diz que o governo continua. Tudo como dantes (?).

 

- As taxas de juro descem... e voltam a ser o que eram antes de Gaspar partir.

 

- E Portas volta a ser ministro. Sobe a vice.

 

Um País nada SeguroPassos de dúvida para que se abram Portas a melhores dias.

21 dias depois. 21 dias de nada.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:03

Duas belas canetas, esculpidas zelosamente pelo tempo, fazem magia a escrever sobre o que todos já disseram ou como dos seus olhos saem sábias e bem encadeadas palavras sobre o que se vê e como o sentem.

Ontem, Vasco Pulido valente, no Público, era sublime, assim:

 

«Foi preciso o acto destemido e original do sr. Presidente da República (decerto encorajado por sua mulher), desprezando a hierarquia do céu, para que Nossa Senhora, a intercessora máxima junto do Altíssimo, resolvesse conceder à Troika e ao governo a "inspiração" para se entenderem e ao CDS a humildade e a paciência para se pôr lado.

O dr. Cavaco, como devia, agradeceu em público esta divina benesse, que Portugal inteiro espera que não pare de se renovar. E, de caminho, o dr. Cavaco descobriu uma nova fonte de influência, que é hoje muito necessária. Dois dias depois, já invocava S. Jorge em prol da Pátria, apesar de esse S. Jorge, bispo de Alexandria, ser também o patrono da Inglaterra e um homem excessivamente zeloso que provocou uma guerra civil local. De qualquer maneira, demonstrada a incapacidade desta República laica e, se calhar, ateia para se governar, o acesso do dr. Cavaco ao Omnipotente é sem sempre de dúvida uma garantia de ventura e paz.»  

 

Ontem, Baptista-Bastos, no Jornal de Negócios (W), escrevia de forma simplesmente superior sobre «As simples coisas da vida», assim:

 

«Mas sabe-se: no futebol, como na política, e se se quiser, por extensão, na vida, nem sempre os melhores são os que ganham. O caso Português pode servir de exemplo. Nem a Senhora de Fátima nos livrou da maldição de Gutmann... (....) Segundo a abalizada opinião do casal Cavaco, deu um jeito santificado na avaliação da Troika. De resto, tem feito o que pode. Pode é pouco... (...) Não dá para rir. O País é o que é, e a mediocridade encontra sempre respaldo, quando o racional não encontra pela frente, como resposta, a razão das coisas. Não há bruxas, mas sucedem imprevistos, nascidos desta espécie de moral e desta classe de crença, que deixa alguns de nós completamente estupefactos.»

 

Dois pedaços de escrita para guardar, sobre a vidinha de um País em situação absolutamente desesperada, e que em tal estado nos dispenda de falar de Fado.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:11

"É um comentário impróprio de um Presidente da República e um insulto à inteligência dos portugueses... mesmo dos que são crentes!"

Vitor Manuel Carola - Público - 15 de Maio de 2013

 

Este comentário, talvez o melhor dos milhares que foram feitos em tudo que é sítio, diz tudo, sem ser malcriado.

Ainda que por uma só vez, permito-me cair no verbo fácil do povo e desabafar: - O Presidente de Portugal não está bem!

A seguir à foto lê-se o que foi dito. Lê-se e não se acredita, nem quando o acreditar é uma questão de fé. 

 

 

 

O Presidente da República, Cavaco Silva, realçou os efeitos positivos da aprovação, por parte da troika,  da sétima avaliação do programa de ajustamento português.

“Foi tomada uma decisão muito importante para o nosso futuro: colocámos atrás das costas a sétima avaliação”, realçou Cavaco Silva. 

“Penso que foi uma inspiração da nossa Senhora de Fátima”, acrescentou.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:56


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Novembro 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930




Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D