Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



"O verdadeiro valor das coisas é o esforço e o problema das adquirir."

Adam Smith (A Riqueza das Nações)

 

MW-AW207_oil_ge_20121113042558_MG.jpg

Uma guerra mundial - num presente, em que a sofisticação bélica é de tal ordem, que pode fazer com que não fique cá ninguém para contar como foi! - é um cenário que parece afastado, a não ser que o Ser humano perca o senso.

Há, no entanto, pelo menos três factores que podem matar o senso e fazer com que os humanos percam o juízo:

as energias;

as religiões;

e a água.

O que se passa com o preço do petróleo, é resultado de uma guerra entre Sauditas e Americanos, que pode acabar mal e gerar uma cascata de desesperados comportamentos de consequências imprevisíveis, sobre as quais se treme só ao fazer o exercício do "e Se?"!

Todos os dias chegam ao mercado, mais de 1,5 milhões de barris do que o mercado precisa - todos os dias!!!

O cenário é o que se conhece: o preço do petróleo em queda livre!

A queda foi ainda mais acentuada, pelo facto do Irão estar de volta ao mercado - enquanto o mundo falava dos nus tapados e do vinho que não podia estar sobre a mesa, Italianos e Franceses fechavam negócios de milhões - e ainda pela constatação que a China e a Índia estão em arrefecimento económico.

Até o petróleo do xisto Americano entrou em sobressalto, dado o custo de extracção não ser compatível com tão baixo preço de mercado - o barril do brent anda por estes dias pouco acima dos trinta dólares.

Há no entanto quem esteja em bem piores lençóis: Angola, Rússia, Venezuela, Brasil...

Enquanto os Sauditas gastam por mês mais de 5000 milhões de dólares das suas reservas, para não baixar a oferta e assim "matar o mercado", os concorrentes perdem vendas e dinheiro, muito dinheiro - nos países antes referidos a extracção custa entre 90 a 120 dólares o barril.

O actual preço do petróleo coloca seriamente em causa a riqueza de muitas nações. E estima-se que, após a situação se inverter, o preço não irá além de 60 dólares o barril.

De repente o "BRIC" ( Brasil, Rússia, Índia e China), que ainda há pouco era a alavanca da economia mundial, partiu, e o "ouro negro" é agora mais negro do que ouro.

As crises, fazem uns acreditar na oportunidade de dominar e fazem outros desesperar, perante a fatalidade de serem dominados e...falidos.

A situação é explosiva, do ponto de vista económico, do ponto de vista político e, consequentemente, do ponto de vista social.

Estamos perante mais uma ironia daquelas em que o azar é fértil: o "desejado" preço baixo do petróleo tornou o mundo um local ainda mais perigoso.

É uma evidência que não se resolve rezando. O crude e o credo não são próximos.

Tudo vai depender de equilibrios geoestratégicos, da evolução da economia , da negociação política e de...sorte, sim sorte, é bem precisa, dá sempre jeito - é sempre uma sorte, quando aqueles que chegam ao poder da decisão, não perdem a mão... do juízo!

Hoje o preço do petróleo é tão baixo quanto é grande o susto.

Ainda assim, que seja só esse o preço a pagar, o do susto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:55



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Janeiro 2016

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31




Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D